Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • PGJ abre procedimento para apurar improbidade de Carlesse na ponte de Porto. O problema é a justificativa!!! Mais parece MPE querendo livrar-se da acusação de eventual omissão!!!
Ponto Cartesiano

PGJ abre procedimento para apurar improbidade de Carlesse na ponte de Porto. O problema é a justificativa!!! Mais parece MPE querendo livrar-se da acusação de eventual omissão!!!

A abertura de processo administrativo feita pela Procuradoria Geral de Justiça no dia 10 de maio (e apontada na coluna Antena Ligada / Jornal do Tocantins de ontem) para apuração de crime de improbidade de Mauro Carlesse na interdição da ponte de Porto Nacional é daquelas situações que, ainda que devêssemos atribuir-lhes mérito e incentivo, mereceria reflexões.

Primeiro, claro, o procedimento só teria sido aberto quando o Governador já havia publicitado prazo para término da interdição (4 de junho) tornando sem objeto o processo administrativo da PGJ fundado justamente na eventual falta de ação do governo para solucionar a questão. Até porque o governo não tem condições financeiras de construir uma nova ponte por isto anunciou o remendo. Acusá-lo de quê?

E segundo, não menos relevante, o prazo: a medida da PGJ é tomada mais de 90 dias (10 de maio) após a interdição, no dia 7 de fevereiro. Aí sim, uma interdição desprovida de fundamento técnico e legal. O governo não tinha laudo técnico para interditá-la. Fundou-se num laudo de uma empresa de 2011 e num “palpite” de outro técnico este ano.

Como consequência disso, decretou intervenção ilegal no município de Porto e contratou uma balsa para a travessia. Mais recursos públicos pelo ralo dado que anunciou na semana passada que vai suspender a interdição sem fazer a reforma na ponte. Apenas tapar buracos. A isto, o MPE quedou-se, ao tempo, inerte.

O governo informou que tem estudos contratados e que ainda irá apresentá-los, mas não informa qual a empresa. Intuo que a contratou fora da lei porque não poderia fazê-lo já que não tinha lei orçamentária e no orçamento de 2018 não tinha esta previsão para fazer uso do expediente do 1/12 orçamentário. Tudo indica que irá fazer reconhecimento de dívida.

Ah, LA, o processo da PGJ pode investigar isso. Desconfio que não. É difícil projetar resultados que não os esperados, num procedimento justificado como “não envidar todos os deveres funcionais que lhe são legalmente impostos em prol da resolução definitiva da problemática atinente à degradação da ponte sobre o rio Tocantins no município de Porto Nacional”. Ou: “não foi possível aferir a adoção de medidas concretas” para solucionar a demanda definitiva. Isto três meses depois do fato.

Por isto aí, bastaria o governo informar (o que já é público) o empréstimo do BB e Caixa (está a Lei Orçamentária e ele faz gestões públicas ao governo federal), a falta de financeiro na execução orçamentária e demonstrar empresas fazendo o remendo na ponte.

Posts relacionados

Ataídes pode integrar grupo de Paulo Guedes para cortar no Sistema S. Especulações sobre sondagens estão nos blogs no DF nesta segunda

luizarmandocosta

Uma tese rocambolesca: quanto mais próximo do governador, mais autônomo. Os servidores do quadro geral na SSP é que estariam aplaudindo: podem reivindicar equiparação de salários na Polícia Civil, um reajuste de 50% no piso inicial

luizarmandocosta

Baluarte da ortodoxia: MDB anima-se com interesse de Marcelo de disputar a presidência do partido. Falta combinar com a Justiça Federal. E com Eduardo Gomes!   

luizarmandocosta

Deixe seu comentário