Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • PGJ abre procedimento para apurar improbidade de Carlesse na ponte de Porto. O problema é a justificativa!!! Mais parece MPE querendo livrar-se da acusação de eventual omissão!!!
Ponto Cartesiano

PGJ abre procedimento para apurar improbidade de Carlesse na ponte de Porto. O problema é a justificativa!!! Mais parece MPE querendo livrar-se da acusação de eventual omissão!!!

A abertura de processo administrativo feita pela Procuradoria Geral de Justiça no dia 10 de maio (e apontada na coluna Antena Ligada / Jornal do Tocantins de ontem) para apuração de crime de improbidade de Mauro Carlesse na interdição da ponte de Porto Nacional é daquelas situações que, ainda que devêssemos atribuir-lhes mérito e incentivo, mereceria reflexões.

Primeiro, claro, o procedimento só teria sido aberto quando o Governador já havia publicitado prazo para término da interdição (4 de junho) tornando sem objeto o processo administrativo da PGJ fundado justamente na eventual falta de ação do governo para solucionar a questão. Até porque o governo não tem condições financeiras de construir uma nova ponte por isto anunciou o remendo. Acusá-lo de quê?

E segundo, não menos relevante, o prazo: a medida da PGJ é tomada mais de 90 dias (10 de maio) após a interdição, no dia 7 de fevereiro. Aí sim, uma interdição desprovida de fundamento técnico e legal. O governo não tinha laudo técnico para interditá-la. Fundou-se num laudo de uma empresa de 2011 e num “palpite” de outro técnico este ano.

Como consequência disso, decretou intervenção ilegal no município de Porto e contratou uma balsa para a travessia. Mais recursos públicos pelo ralo dado que anunciou na semana passada que vai suspender a interdição sem fazer a reforma na ponte. Apenas tapar buracos. A isto, o MPE quedou-se, ao tempo, inerte.

O governo informou que tem estudos contratados e que ainda irá apresentá-los, mas não informa qual a empresa. Intuo que a contratou fora da lei porque não poderia fazê-lo já que não tinha lei orçamentária e no orçamento de 2018 não tinha esta previsão para fazer uso do expediente do 1/12 orçamentário. Tudo indica que irá fazer reconhecimento de dívida.

Ah, LA, o processo da PGJ pode investigar isso. Desconfio que não. É difícil projetar resultados que não os esperados, num procedimento justificado como “não envidar todos os deveres funcionais que lhe são legalmente impostos em prol da resolução definitiva da problemática atinente à degradação da ponte sobre o rio Tocantins no município de Porto Nacional”. Ou: “não foi possível aferir a adoção de medidas concretas” para solucionar a demanda definitiva. Isto três meses depois do fato.

Por isto aí, bastaria o governo informar (o que já é público) o empréstimo do BB e Caixa (está a Lei Orçamentária e ele faz gestões públicas ao governo federal), a falta de financeiro na execução orçamentária e demonstrar empresas fazendo o remendo na ponte.

Posts relacionados

Disputa no Legislativo opõe governador ao vice que pode se tornar o sujeito oculto da história, apropriando-se de ativo do titular eleito

luizarmandocosta

Concessionária de água e esgoto aceitou mudar valor dos recursos para fundo cultural da prefeitura de Palmas na gestão Amastha, com vigência retroativa e sem passar pela Câmara!!!

luizarmandocosta

Buraco do Igeprev ganha contornos impressionantes e não se nota qualquer reação de sindicatos de categoria nem dos contribuintes ou sociedade política

luizarmandocosta

Deixe seu comentário