A demissão do secretário da Casa Civil da Prefeitura de Palmas, Edmilson Vieira, publicada nesta terça pela prefeita Cinthia Ribeiro, considerando as movimentações do ex-Secretário na administração, demorou até demais. Mais pela boa vontade da prefeita com o auxiliar do que por aquilo que entregava à gestão.

Vem de muito a confusão que o agora ex-secretário fazia sobre competências, prerrogativas e obrigações das funções que exercia. Impondo à prefeita passivos não só administrativos mas políticos e que, tudo indica, Cínthia Ribeiro aceitava pela condição com que assumiu a prefeitura e pela confiança que tinha no ex-secretário, que é advogado.

Nos corredores do Paço Municipal, Edmilson era observado como um comprador de briga com os demais auxiliares da prefeita. Uma pessoa de difícil relação que enfrentava, certo modo, até mesmo a autoridade da Chefe do Executivo municipal e não se sabe qual seria o seu respaldo político.

Na equipe de Cínthia ainda é lembrada a ação de Edmilson de (há dois anos) tentar subordinar o orçamento (e os demais secretários) à sua secretaria de Controle Interno. Isto depois da lei orçamentária ter sido aprovada pela Câmara.

Edmilson tentou impor amarras às pastas como se prefeita fosse. Junto com a Secretaria de Planejamento onde o próprio Edmilson teria indicado a titular. Isto tendo-se como evidente que são as secretarias que tem conhecimento das demandas setoriais e a competência para aprovar despesas é da prefeita.

E à revelia da prefeita, conforme os secretários confidenciaram a este blog na época, já que não estaria na LDO. E qual seria o jabuti: do orçamento aprovado pelos vereadores, as pastas só administrariam 50% dos recursos, como já determinado pelo Planejamento/Controle Interno.

Os outros só seriam liberados mediante autorização do Controle Interno e Planejamento por ele controlado. Para se ter uma idéia, nem os vereadores tem competência para modificar isto: mudar planejamento de secretarias do Executivo.

De outro modo: os secretários nomeados pela prefeita estariam, na forma empregada, diretamente subordinados ao Controle Interno cujo titular, Edmilson Vieira, teria apresentado a secretária do Planejamento, Fernanda Rodrigues, uma técnica, à prefeita.

Naquela  crise, lá em 2018, a prefeita Cínthia Ribeiro demitiu a secretária do Planejamento, Fernanda Rodrigues. E Edmilson foi promovido a Secretário da Casa Civil.

Caiu agora porque não aprendeu o recado da prefeita e das urnas. Não afastado, seria ele o prefeito de fato. Como a conduta contínua, já na nova administração, prenunciava, conforme outros titulares de pastas. Algo que os votos e a própria personalidade de Cínthia não permitiriam nunca se dar.

Deixe seu comentário:

2 Comentário(s)

  • Júlio
    05/01/2021

    Na verdade a Fernanda não vou demitida, vou colocada como Diretora na Semus onde nos últimos meses mandava mais que a atual secretaria.

  • Bete Manzano
    05/01/2021

    Já não era se em tempo. Sua arrogância prepotência custou o cargo de muita gente boa e que realmente ajudava a prefeita. Aleluia!

Ponto Cartesiano

A arrecadação de impostos federais no Tocantins sofreu uma redução de 8,9% no ano passado em relação ao arrecadado em 2019. Dados da Rec...

O governo já tinha arrecadado de ICMS até ontem o montante de R$ 307 milhões e 112 mil no Estado. O valor colocado nos cofres do tesouro pelo Fisco j&a...

Segundo o site Poder360 nesta terça, o Tocantins, junto com Mato Grosso e Roraima não tinham até a noite de ontem atualizado junto ao Ministério da Sa&...