A constatação de que 30% dos servidores da saúde de Araguaína (600 de 1.900) se recusaram a vacinar contra o coronavírus é demonstração clara de que não dependeria apenas do governo a aceleração da imunização da população do Estado. E que seria injusta, portanto, a carga de responsabilidade atribuída ao Palácio Araguaia.

Pior: a recusa se dá em segmento da população que manipula diariamente com a ciência, que presenciou no dia-a-dia o curso que levou à morte cerca de 1 mil e 400 pessoas no Estado. Tudo isto sem qualquer reação dos órgãos municipais.

A dúvida é o que mais negariam nos tratamentos a pacientes pelos quais são remunerados. Não por menos a cidade registrava ontem 20 mil contaminados e 256 óbitos. A maior taxa de mortalidade do Estado. Mais mortes que Palmas que tem o dobro da população.

Pode estar na ideologia a explicação. Jair Bolsonaro (que nega isolamento social e até dias atrás fazia campanha contra as vacinas) obteve apoio maciço dos produtores rurais e criadores de gado em Araguaína (o propulsor da economia e da política locais). Fizeram caminhadas e carreatas pela cidade e conseguiram dar a Bolsonaro 55% dos votos no primeiro turno e 59% no segundo.

São os terraplanistas remunerados pelo poder público e que arriscam, sem vacinação, contaminar a população que disputa a tapas uma vacina. Medicamento que, nos dias atuais, significa a diferença entre a vida e a morte.

Deixe seu comentário:

2 Comentário(s)

  • Eveline das Neves Santos Correia
    04/02/2021

    É inadmissível um comportamento desse vindo de profissionais da saúde. Aonde está o Conselho de Medicina do Estado? Estão ignorando os cientistas em nome do nosso algoz o presidente negacionista ?

  • Dias Reis Silva
    04/02/2021

    Bolsonaro era contra a vacina se não fosse liberada pela Anvisa, o mesmo também foi impedido de atuar nos Estados e municípios pelo STF, então não venha querer justificar usando o nome dele, pois cada governador e prefeito tinha liberdade de fazer o que quiser, o dinheiro foi repassado, e as exigências que não foram tomadas e nem respeitadas as que ainda vingaram.

Ponto Cartesiano

 O volume de notas fiscais emitidas no Estado (de competência da Secretaria Estadual da Fazenda) somaram em 2020 o montante de R$ 164 bilhões e 168 mil...

Os deputados retomam a discussão sobre a criação de novos municípios no Estado.  Extraindo a inoportunidade do debate (Estado deve registrar nes...

O governo vai pagar os salários de fevereiro do funcionalismo no sábado. Segue o compromisso mantido por Mauro Carlesse desde a interinidade no governo até hoj...