Janeiro é mês de muitos símbolos. Alguns deles, a propósito, calham aos dias atuais: depois de amanhã, sexta, 15, é o Dia do Compositor e, uma dezena de dias à frente, 25 de janeiro, dia dedicado à Bossa Nova nacional.

Há ainda o Dia do Leitor (7), do Fotógrafo (8), Dia Internacional do Riso (18), Dia Nacional da Visibilidade Trans (29), Das Histórias em Quadrinhos, Dia da Saudade e Dia da Mundial da Não Violência e da Cultura da Paz (todos no dia 30) e finalizando o mês (31) temos o dia dedicado ao Mágico. Semelhantes e assemelhados, caldos de uma mesma cultura.

Temos em janeiro ainda o Dia do Fico, registrado como aquele em que o Príncipe Regente (Dom Pedro I) declarou que não cumpriria mais as ordens da Coroa Portuguesa que exigia sua volta a Lisboa. Depois da pressão de oito mil assinaturas (e dos liberais), o Príncipe decidiu no dia 9 de janeiro de 1.822 rebelar-se contra Portugal, precipitando, nove meses depois, a declaração da Independência do Brasil.

Acaso ou destino, a comunidade artística tocantinense endereçou no dia 9 de janeiro deste 2021 (quase 200 anos depois) uma carta-manifesto ao governo do Estado contra o que consideram desmonte da política cultural e ausência de habilidade política dos responsáveis pelo setor.

Pedem retorno imediato do diálogo com a Adetuc, transparência e o pagamento de todos os projetos aprovados dentro da Lei Aldir Blanc. Uma rebeldia ao seu modo para fazer frente à sua participação na história do Estado. A política da Adetuc de hoje pode ter sido apenas o gatilho (...)

Leia mais:https://www.jornaldotocantins.com.br/editorias/opiniao/tend%C3%AAncias-e-ideias-1.1694943/materialismo-hist%C3%B3rico-cultural-de-janeiro-1.2179792

Deixe seu comentário:

Ponto Cartesiano

As autoridades públicas e políticas ainda inseguras sobre medidas restritivas mais drásticas quando os números de contaminados e mortos pelo Covid-19 no...

A nota da Secretaria Estadual de Saúde (que circulou na noite de ontem) embute na já complicada situação da pandemia no Estado mais ingrediente des...

 O volume de notas fiscais emitidas no Estado (de competência da Secretaria Estadual da Fazenda) somaram em 2020 o montante de R$ 164 bilhões e 168 mil...