A vereadora Janad Valcari demonstrando que não está para brincadeira. Em quatro dias úteis na presidência da Câmara pegou carona no mote da imprensa de “2ª “ mulher a ocupar a presidência do Legislativo metropolitano como uma vitória do gênero e homenageou oficialmente a “1ª a presidi-la, Maria da Balsa (1.999) de quem, deduz-se, teria buscado argamassa para a “luta” no dia 1º de janeiro de 2021.

E ontem mandou bala (digo, baton) promulgando lei criando na Capital o Dia Municipal da Igreja Internacional da Graça de Deus e outra o Dia do Pastor Evangélico. Uma lei que não passou pelo crivo do Executivo e que, com pouca margem de dúvida, seria uma contrapartida especial à aliança eleitoral entre os consortes pagos com recursos de evangélicos, católicos, espíritas e até ateus.

Proponho à presidente e a seus pares, seguindo o fluxo institucionalizado, criarem o Dia Municipal do Padre, o Dia Municipal do Diácono, o Dia Municipal do Ateu, o Dia Municipal do Candoblé e assim por diante.

Nada contra religiões, mas a favor dos cofres públicos e da Constituição que determina estado laico. Os vereadores estariam dispendendo recursos públicos (horas pagas pelo cidadão) para fazer justamente o contrário: discricionariedades religiosas.

Aliás, o fisiologismo religioso dos vereadores é a demonstração inequívoca de seus fracassos. E, ao mesmo tempo, ainda que não tenham consciência, o impulso à manutenção de necessidade de sua existência.

A religião se manifesta dentro de um estado de coisas em que ela é necessária. De outro modo: as pessoas  buscam a religião quando não vêem saídas no mundo real. Os políticos, então, não conseguindo (ou não querendo) alterar as realidades incentivam as religiões a continuarem oferecendo o ópio. Nem que para tanto contrariem as regras.

Ganham de dois modos: não trabalham pelo que são pagos (empurrando os problemas das pessoas para frente) e ainda conseguem manter o religioso (especialmente seus líderes abastados pelo dízimo) eleitor cativo para que continue ganhando sem entregarem o que prometeram.

Uma aliança, um pacto, onde salvam-se todos. Menos as ovelhas e a Constituição.

Deixe seu comentário:

1 Comentário(s)

  • Moizeis Nunes da Silva
    09/01/2021

    Religião não salva, não cura nem liberta. A palavra de Deus menciona no livro de Timóteo que entre Deus e o Homem só pra existe um mediador a ser adorado "Jesus", não tem Tião nem Maria.

Ponto Cartesiano

A Secretaria de Saúde fez circular nota na noite de ontem pretextando afastar “quaisquer” riscos de desabastecimento nos hospitais (leitos de UTIs) de pac...

O Fisco estadual conseguiu colocar nos cofres públicos de 1º a 20 de janeiro o equivalente a R$ 234 milhões e 549 mil de arrecadação de ICMS....

Política pura: a bancada de congressistas do Estado que quedou-se literalmente em silêncio (ou não tomou qualquer medida em oposição) quando Jai...