O Igeprev torrou R$ 260 milhões de suas reservas (aplicações bancárias) de janeiro a dezembro de 2020. No balanço publicado na sexta, as aplicações bancárias do instituto dos aposentados e pensionistas ao invés de serem corrigidas pela inflação e taxa Selic, foram reduzidas de R$ 4 bilhões e 19 milhões (dez/2019) para R$ 3 bilhões e 759 milhões (dez/2020).

Significa que a diretoria do Igeprev comeu R$ 21,6 milhões mensais das aplicações (mais a correção e Selic) em 12 meses. A dinheirama, tudo indica, foi utilizada para o pagamento de aposentados e pensionistas em função do déficit de receitas/despesas.

A situação é pior ainda: no balanço publicado, o Igeprev registrou em 2020 um total de R$ 821 milhões inscritos em restos a pagar. O valor é praticamente o dobro dos R$ 466 milhões com que fechou 2019 de restos a pagar inscritos e não pagos.

E não registrou qualquer aporte financeiro do governo do Estado.

Deixe seu comentário:

1 Comentário(s)

  • Valentina Melo
    03/02/2021

    Com certeza! Militares onde está o maior rombo da previdência. ao invés de aumentar a alíquota, fez reduzir. O estado com seus milhares de comissionados que não contribuem com o Igeprev. Aumentou-se a alíquota aos servidores administrativos, pelo que sabemos, o estado continua a não repassar os descontos dos concursados. O rombo maior é dos militares

Ponto Cartesiano

 O volume de notas fiscais emitidas no Estado (de competência da Secretaria Estadual da Fazenda) somaram em 2020 o montante de R$ 164 bilhões e 168 mil...

Os deputados retomam a discussão sobre a criação de novos municípios no Estado.  Extraindo a inoportunidade do debate (Estado deve registrar nes...

O governo vai pagar os salários de fevereiro do funcionalismo no sábado. Segue o compromisso mantido por Mauro Carlesse desde a interinidade no governo até hoj...