A Câmara Gospel de Palmas retoma um novo-velho projeto: a definição de igrejas e templos como serviço essencial na Capital. Os evangélicos são proativos. Não se vê católicos, espíritas, ateus ou que tais querendo regular religião. Deixam-na, regra geral, ao livre arbítrio. Os evangélicos não tem freios. E olha que numericamente são em menor número que os católicos e adeptos de outras religiões na cidade.

As religiões já gozam de imunidade pública, construíram seus templos em imóveis públicos doados, coletam recursos dos fiéis sem pagar impostos e tem isenção de outros tributos. E, na Câmara de Palmas (onde hinos evangélicos tem precedência ao Hino Nacional), já existe há muito a bancada de uma religião que em nada difere de uma corporação empresarial comprovadamente lucrativa. E eleitoralmente exitosa.

Na prática, os templos evangélicos e igrejas já estão abertos seguindo regras sanitárias de distanciamento. O que o vereador Daniel Nascimento (que é pastor evangélico) pretenderia é, deduz-se, tornar isto atividade essencial que os livraria destas mesmas medidas de contenção em um setor que depende de tantos quanto o propaguem e o cultuem para manter-se economicamente. Contrário senso, regulados os cultos, seria o mesmo que proibir-se um posto de combustível de abrir suas bombas.

A Câmara Gospel ignora, é possível inferir, que nos últimos 40 dias foram registrados 4 mil e 100 novos contaminados na Capital e outros 31 óbitos. E que em apenas dez dias de fevereiro já se registrava 34% do número de casos de todo o mês de janeiro. Isto com os templos a meio pau.

Era de se esperar, portanto, que estivessem a defender os seus rebanhos da contaminação das aglomerações. E, consequentemente, ajudando as pessoas a prevenir-se contra o vírus e não incentivá-las a negá-lo. Tudo isto pago com o recurso de todos, independente de religião, num Estado laico. 

Já imaginou se os quase 70% da população da cidade que se declaram não evangélicos assumissem o mesmo ativismo regilioso parlamentar bancado pelos cofres públicos!!!!

Não teríamos certamente um Estado republicano e democrático. Mas uma cidade de facções corporativas.

Deixe seu comentário:

1 Comentário(s)

  • Rinaldo Moreira da Nóbrega
    13/02/2021

    Posso afirmar com toda certeza Luiz Armando, a igreja entrou em terreno errado da história, porque se deixou se corromper, pastores, membros, ministros, apóstolos que se candidatam e ganharam estão fazendo de forma contraria o que a Bíblia diz, deixaram a mensagem de boas novas de lado, hoje querem brigar com pessoas e até mesmo tirarem direitos que estão previstos na constituição, sinto muito mas creio que os ditos "evangélicos" políticos tem muito a aprender, vejam o caso da Damares, meu Deus, o evangelho está sendo envergonhado, simplesmente sinto vergonha desse tipo de pessoa que se diz "evangélico", mas não passa de lobo em pele de cordeiro.

Ponto Cartesiano

 O volume de notas fiscais emitidas no Estado (de competência da Secretaria Estadual da Fazenda) somaram em 2020 o montante de R$ 164 bilhões e 168 mil...

Os deputados retomam a discussão sobre a criação de novos municípios no Estado.  Extraindo a inoportunidade do debate (Estado deve registrar nes...

O governo vai pagar os salários de fevereiro do funcionalismo no sábado. Segue o compromisso mantido por Mauro Carlesse desde a interinidade no governo até hoj...