As autoridades públicas e políticas ainda inseguras sobre medidas restritivas mais drásticas quando os números de contaminados e mortos pelo Covid-19 no Estado apontariam certezas. Tanto quando a infalibilidade do corona quanto ao efeito da falta de distanciamento social, máscaras e leitos hospitalares.

O poder público tem, em vários aspectos, tentado compatibilizar o que querem os 70% da população que não respeitam as regras (ontem o índice de distanciamento no Estado era de 29,2%, o pior do país) e as consequências provenientes de suas escolhas.

Como as consequências só vem depois e não antes, estão sempre correndo atrás do bonde. É o caso da promessa de contratação de UTIs na bacia das almas quando um planejamento, por menor que fosse, indicaria a necessidade de antecipação lá atrás.

Só para efeito de raciocínio: o número de mortos de novembro a dezembro no Estado registrou um crescimento de 12% contra 19% dos contaminados. De janeiro a fevereiro, os óbitos elevaram 24% e os casos 27% no Estado. Praticamente o dobro do crescimento de óbitos e casos este ano.

Já na Capital, o número de mortos de outubro a dezembro registrou um crescimento de 15% e o de casos ficou no patamar de 21%. Em janeiro e fevereiro o índice de crescimento de contaminados em Palmas foi de 34% em relação a dezembro e o de mortos 23%.

De outro modo: na Capital os óbitos registraram no primeiro bimestre um aumento de 53% em relação ao crescimento de outubro a novembro. Já os de casos 61% a mais que o índice do último bimestre de 2020.

Na Capital, a prefeita Cínthia Ribeiro se movimenta pelo lockdown, impulsionada pelo colapso da rede pública, entidades do terceiro setor e vereadores. No Estado, não há ainda discussão pública sobre o assunto. Mas a medida é inevitável.

O único empecilho, por enquanto, são os empresários. Uma categoria que tem que fazer a sua parte. Nos dois primeiros meses de 2021, a economia do Estado gerou impostos 22% acima dos dois primeiros meses de 2020. Ou seja: em pleno pico da pandemia, os empresários não tiveram perdas como lamentam.

Deixe seu comentário:

Ponto Cartesiano

Decorridos menos da metade do mês, os auditores do Fisco já colocaram nos cofres do tesouro estadual o equivalente a R$ 213 milhões e 781 mil até esta qu...

O contorcionismo de um grupo de vereadores na Câmara, guiados pela presidente Janad Valcari, para desfazer o novelo em que se enrolaram expõe o grau de res...

A arrecadação de receitas de ICMS no Estado segue seu vetor de alta. Os auditores conseguiram até ontem (relatório desta quarta) arrecadar o mon...