No rastro das antecipadas mudanças na equipe da prefeita Cínthia Ribeiro para contemplar apoios políticos das eleições, uma delas (já especulada) é especialmente nevrálgica e estupefaciente: a possibilidade de entregar a candidatos derrotados a Secretaria de Regularização Fundiária da cidade hoje ocupada com a segurança jurídica de um juiz federal aposentado, Darci Coelho, que exerceu em 32 anos de vida pública, os cargos de promotor, procurador de Justiça, juiz estadual, juiz federal, cinco mandatos de deputado federal, vice-governador e ex-secretário de Segurança sem uma denúncia sequer, mesmo menção, de que tivesse desviado recursos públicos. É o típico caso em que o bem ao serviço público não se dá por produtividade e sim pela qualidade jurídica das ações. Dos vereadores eleitos e não reeleitos, já se sabe os princípios. E o plano diretor com suas áreas públicas prontas para desafetação, estacionamentos e que tais são mão na roda. O que em si, já seria motivo razoável para a prefeita preferir a segurança jurídica aos arroubos políticos dos não eleitos ou a barganha dos eleitos.

Deixe seu comentário:

Ponte Aérea

"Nessa hora não tem lado partidário. Estamos unidos para saber qual a real situação antes que seja tarde demais. O Tocantins tem 11 par...

A eleição (chapa única) do novo presidente da Associação dos Municípios, o prefeito reeleito de Talismã, Diogo Borges, exp...

Contra abusos

18/01/2021

A prefeita Cínthia Ribeiro não tendo medo de cara feia: no avanço da Covid-19 na Capital, decidiu engrossar e determinar novas restrições na cid...