Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • Governador quer deixar Estado organizado, diz presidente do Sisepe, Cleiton Pinheiro. Passivo do governo com servidores beira R$ 2 bilhões
Ponto Cartesiano

Governador quer deixar Estado organizado, diz presidente do Sisepe, Cleiton Pinheiro. Passivo do governo com servidores beira R$ 2 bilhões

O passivo do governo com os servidores públicos passa de R$ 2 bilhões. Só de retroativos, promoções, progressões e data-base elevaria-se a 1,4 bilhão.  A estimativa foi feita ontem a este blog pelo presidente do Sindicato dos Servidores Públicos, Cleiton Pinheiro. Ele salienta, no entanto, que não é só debito do governo Mauro Carlesse. “Na data-base de 2018, por exemplo, o governo atual está cumprindo”, destacou, ressaltando que há passivos de data-base dos anos de 2015,2016 e 2017.

Cleiton cita que o governador Mauro Carlesse teria dito a ele, em conversa no Palácio esta semana, que estaria preocupado com a situação dos servidores e que uma de suas metas é, até o final do governo, zerar os passivos.

Teria mostrado-se preocupado Mauro Carlesse, especialmente com a situação do Igeprev. Mas que, conforme Cleiton, o Governador teria elencado prioritariamente os passivos devidos pelo governo aos servidores de verbas e indenizações salariais assim como a resolução dos atrasos dos consignados e Plan-saúde.

O governo deveria, só de prestações descontadas e não repassadas aos bancos, o equivalente a algo próximo de R$ 100 milhões. Do Brasilcard, a inadimplência alcançaria cerca de R$ 20 milhões. “O governo vai lá negocia, começa a pagar e depois deixa novamente de repassar”.

Para Cleiton, uma das saídas pode estar nas decisões das comissões temáticas que o Governo quer criar para discutir os passivos com os servidores. Devem ser criadas cinco câmaras, disse o dirigente, para levantar os débitos e propor alternativas para solucioná-los. “Principalmente na questão dos retroativos”.

“O Governador me disse que quer deixar o Estado organizado e que por isto tem tomado decisões amargas mas que ele acha que são necessárias”, apontou o presidente do Sisepe. Na questão dos passivos, não está descartada nem mesmo a possibilidade de comercialização dos débitos com outras instituições financeiras. “Aí vai depender do servidor aceitar por exemplo o deságio”.

 

Posts relacionados

Dez anos depois, Operação Maet ainda ouve testemunhas quando acusados cumprem pena sem serem condenados

luizarmandocosta

Palácio cria cargos por medida provisória que tem aplicação imediata quando sequer tem lei orçamentária que o autorize. Saúde pública e ponte? Ora, “se toca, meu”!!!

luizarmandocosta

Roubalheira sistêmica revelada pelo MPF aponta o moto-continuo dos desvios de recursos públicos do Estado que enriqueceram e ainda enchem os bolsos de políticos inescrupulosos

luizarmandocosta

1 comment

SISEPE – Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do TocantinsSISEPE NA MÍDIA: de 14 a 20 de abril de 2019 - SISEPE - Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins 22 de abril de 2019 at 3:15 pm

[…] LUIZ ARMANDO: Governador quer deixar Estado organizado, diz presidente do Sisepe, Cleiton Pinheiro. Passivo do gov… […]

Reply

Deixe seu comentário