A Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), por meio de ação realizada pela 74ª Delegacia de Brejinho de Nazaré concluiu nesta quarta-feira, 29, o inquérito policial que apurava as circunstâncias da morte violenta de um homem de 33 anos, naquela cidade, fato ocorrido no último dia 20 de abril na cidade.

 

O Caso

 

No último dia 19 de abril, Douglas Ferreira Gomes saiu de casa para ir a um bar de Brejinho e não foi mais visto. Após alguns dias sem dar notícias a amigos e empregadores, foi registrada uma ocorrência de desaparecimento, já havendo nestes relatos suspeitas de que o homem pudesse ter sido assassinado. A partir de então, o delegado-chefe da 74ª DP, Diogo Fonseca, juntamente com as equipes da unidade policial, iniciou as investigações seguindo a linha de possível homicídio.

 

Corpo encontrado

 

Na tarde do dia 22 de abril, o corpo de Douglas foi encontrado em um milharal, esquartejado e queimado. A perícia compareceu ao local para os trabalhos preliminares, enquanto o corpo foi recolhido pelo IML a fim de avaliar sinais de violência e causa da morte.

 

Além da decapitação e ter braços e pernas arrancados, foram apontadas três perfurações de faca no tórax da vítima. As constatações periciais convergiram com os indícios apurados pela autoridade policial e, após aprofundamento dos trabalhos, chegou-se à autoria e circunstâncias da morte. 

 

 

Prisões preventivas

 

Com a identificação dos dois indivíduos suspeitos pela morte e ocultação do cadáver de Douglas, a autoridade policial representou pela prisão preventiva de ambos, as quais foram deferidas pela 1ª Vara Criminal de Porto Nacional.

 

Um dos autores, de 21 anos, foi preso na cidade de Pedro Afonso, após se envolver em uma tentativa de homicídio naquela cidade e ser conduzido para a Delegacia. O segundo indivíduo, também já devidamente identificado, encontra-se foragido. No entanto, a Polícia Civil está realizando todos os esforços a fim de efetuar a captura do mesmo.

  

 

Conclusão do Inquérito Policial  

 

De acordo com o delegado Diogo Fonseca, os dois autores foram indiciados por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver. “As penas somadas podem ultrapassar 33 anos de reclusão”, disse o delegado.

 

A autoridade policial também ressalta que a completa elucidação do crime, restaura a sensação de segurança na cidade de Brejinho, pois trata-se de crime muito grave e que abalou a comunidade local. "O desfecho positivo, com a identificação dos autores, é uma resposta não apenas para a família da vítima, mas também para a população da cidade na medida em que não deixa passar impune um caso de tamanha repercussão e gravidade”, ponderou o delegado.

Deixe seu comentário:

Estado

Já estão disponíveis os recursos no valor de R$ 50 milhões, que foram liberados pelo Banco de Brasília (BRB) ao Estado do Tocantins para con...

Devido ao excesso de cães abandonados nas ruas e em estado de maus-tratos, o Ministério Público do Tocantins (MPTO) expediu recomendação nesta te...

O corpo de um caseiro que cuidava de um rancho às margens do Rio Tocantins, numa área conhecida como Vila Quixaba, na BR-242, em Gurupi, foi encontrado na man...