Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • Relatório da Defensoria Pública sobre assédio moral e sexual praticados por oficiais contra mulheres bombeiras é arrasador. Governo e Ministério Público ainda fazem ouvidos de mercador! Não deveriam!!
Ponto Cartesiano

Relatório da Defensoria Pública sobre assédio moral e sexual praticados por oficiais contra mulheres bombeiras é arrasador. Governo e Ministério Público ainda fazem ouvidos de mercador! Não deveriam!!

Denúncias de assédio sexual e moral são fatos graves que exigem investigação e punição urgentes. O governo, entretanto, faz ouvidos de mercador às acusações de assédios tendo mulheres como vítimas no Corpo de Bombeiros. A Defensoria Pública pediu à Corregedoria da Polícia Militar o afastamento do Comandante do CB, ele próprio um dos acusados.

O relatório da defensora pública Francisca di Fátima Cardoso Costa (a que este blog teve acesso ontem) é arrasador no que explicita. Mulheres bombeiras com problemas psicológicos, pressionadas a não denunciar as agressões sexuais e morais de “saradões” pagos pelo poder público para fazer justamente o contrário. E sendo obrigadas por oficias de maior patente a aceitarem os abusos numa instituição onde não obedecer a hierarquia e as ordens tem consequência.

A tudo isto o governo assiste impávido. Fez até reuniões com as bombeiras para defender a instituição e, lógico, os acusados, dobrando a aposta no desrespeito à lei e na afirmação do porcochauvinismo militar, não só presente no CB. Ainda que se possa ressaltar a regra geral que, em absoluto, não seria praticante de desvios de natureza tão abominável e carregado de covardia.

Evidentemente que a Defensoria é apenas parte. Não é titular de denúncia pública. Representa as bombeiras. O titular da ação pública, o Ministério Público, ainda guarda obsequioso silêncio sobre o assunto que, como é notório, quanto mais demora investigar, mas oportuniza a defesa com o uso de pressões hierárquicas internas. O MPE já teria instaurado dois inquéritos (um inclusive por nepotismo do comandante do CB). Ainda assim, o acusado não foi afastado.

Governo e acusados devem estar aguardando uma reportagem da Rede Globo em nível nacional para darem-se conta da confusão em que se meteram. E da extensão da gravidade de denúncia de assédio moral e sexual a mulheres bombeiras que seriam praticadas por soldados e oficiais da corporação.

Posts relacionados

Educação: 63% dos recursos pagos a servidores com contratos dependentes da vontade política do governo. E não de Estado. MPE age certo ao denunciar a “fraude” e exigir concurso

luizarmandocosta

Igeprev registrou no primeiro bimestre um resultado previdenciário financeiro negativo em R$ 95 milhões. Mas deputados e governo comemoram aposentadoria incentivada sem um plano para não falir o fundo!!!

luizarmandocosta

Unicare (que tinha um contrato de cerca de R$ 4,4 milhões de UTIs terrestres com governo) cede lugar no mesmo endereço a LissCare e ex-empregados denunciam calote de verbas trabalhistas!!

luizarmandocosta

Deixe seu comentário