Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • Palácio segue a pantomima de divisão de responsabilidades. Relatórios do 2º QD demonstram que Executivo gastou com salários R$ 460 milhões acima do limite e os poderes R$ 70 milhões a menos!!!
Ponto Cartesiano

Palácio segue a pantomima de divisão de responsabilidades. Relatórios do 2º QD demonstram que Executivo gastou com salários R$ 460 milhões acima do limite e os poderes R$ 70 milhões a menos!!!

O governo continua (não sem o auxílio dos demais poderes) insistindo na pantomima: o Executivo conclamando os demais poderes a ajustes (a responsabilidade conforme o Chefe do Executivo seria de todos) e os demais poderes assentindo. Já foram duas as reuniões, ambas amplificadas com este viés de preocupação conjunta que, na tese, induziria o raciocínio de responsabilidades também solidárias.

Um diversionismo escancarado. Não precisa ir longe para comprová-lo. Basta analisar os relatórios de gestão fiscal publicados pelos poderes. Não que se critique intenções de planejamentos comuns, mesmo tendo-se que o Executivo já encaminhou ao Legislativo a proposta orçamentária (despesas e receitas) dele e dos demais poderes. A questão é o que ela representa: licença para o Executivo manter sua inércia.

O Executivo (pelos balanços orçamentários do segundo quadrimestre de 2018) é praticamente o responsável por todo o descalabro das finanças públicas.  O Palácio Araguaia, por exemplo, gastava (pelo relatório) R$ 4,016 bilhões (55,3% da RCL) com despesas de salários. O limite máximo era de R$ 3,556 bilhões (49%). Gastou, portanto, R$ 460 milhões acima do limite máximo.

Os demais poderes (exceção ao TCE) cumpriram a LRF e gastaram menos que o limite máximo. O Judiciário registrou gastos com salários no mesmo período de R$ 409 milhões. Como limite máximo para aquele poder era de R$ 435 milhões, foi superavitário em R$ 26 milhões.

O Legislativo podia gastar o máximo de R$ 128,2 milhões e gastou apenas este valor. O Ministério Público consumiu R$ 139 milhões com salários quando podia gastar até R$ 145 milhões. Ou: superávit de R$ 6 milhões.  A Defensoria consumiu R$ 107 milhões quando tinha também um limite máximo de R$ 145 milhões e o Tribunal de Contas, com um limite máximo de R$ 89,2 milhões, excedeu R$ 6,1 milhões, gastando, no período, R$ 95,3 milhões.

Se adicionarmos todos os poderes, o governo gastou com salários (conforme o relatório do segundo quadrimestre de 2018) o equivalente a R$ 4,894 bilhões (67% da RCL) contra um limite máximo da lei de R$ 4,354 bilhões (60%). E que vem a ser praticamente a diferença a maior consumida somente pelo Executivo.

Isto aí o Palácio Araguaia quer dividir com os demais poderes. E eles aceitando a responsabilidade como fosse, também deles, essa gastança do governo com salários em atendimento a demandas mais políticas do que técnicas.

Se assim concordam, deve ter um custo e uma razão de ser a genuflexão.

Posts relacionados

Tudo Azul! Continuamos uma colônia dos mesmos colonizadores próximo de três décadas depois!!

luizarmandocosta

Palácio deve anunciar reformas e cortes por Medida Provisória. Cortar o quê se não tem orçamento que teve apreciação procrastinada pelos deputados!!!!

luizarmandocosta

Modelo de capitalização da Previdência já está sendo reformulado no Chile, diz ao blog presidente da Febrafite

luizarmandocosta

Deixe seu comentário