Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • Orçamento na Assembléia projeta arrecadação de ICMS em 2019 menor que o arrecadado em 2018. Mas governo faz graça e reduz em 50% ICMS do combustível de aviação. Estado nadando em dinheiro!!
Ponto Cartesiano

Orçamento na Assembléia projeta arrecadação de ICMS em 2019 menor que o arrecadado em 2018. Mas governo faz graça e reduz em 50% ICMS do combustível de aviação. Estado nadando em dinheiro!!

O Palácio decidiu seguir a “vibe” dos Estados ricos. Muito embora tenha fechado o ano de 2018 com milhões de restos a pagar, não ter grana para fazer a ponte sobre o rio Tocantins em Porto Nacional e depender de empréstimos para cumprir a meta informada ao Legislativo.

Sem qualquer demonstração de compensação de receita que vai deixar de receber (obrigatório pela LRF), reduziu o ICMS do combustível de aviação. E por Medida Provisória (04/2019). Reduziu de 14% para 7% e 3%. A justificativa é um achado: ampliar oferta de vôos, gerar empregos e fomentar o turismo.

Pois é, no Estado do Tocantins a população paga 33% de ICMS sobre o consumo de energia. Oficialmente é 25% mas é cobrado por dentro elevando a alíquota paga na conta de luz a 33%.

Energia elétrica, como é notório, é o motor da economia. Indústria e comércio são dela dependentes. São mais de 400 mil consumidores que pagam o imposto compulsoriamente. Ou ficam sem a energia.

As reduções e isenções fiscais, entretanto, como é sabido, só atingem o bolso do grande empresário que tem sua defesa corporativa no Palácio e no Legislativo. Na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2019, já aprovada pelo Legislativo, o governo prevê isenções/renúncias fiscais de R$ 376,4 milhões em 2019, quando conta trocados para pagar salários e remédios para hospitais.

Confrontado esse indicativo com a Lei Orçamentária Anual ainda não aprovada, é uma confusão sem tamanho. Na LOA o governo projeta arrecadar, por exemplo, de ICMS em 2019 o equivalente a R$ 2,845 bilhões. Um valor menor que o arrecadado de ICMS em 2018: R$ 2,852 bilhões, como publicou no seu balanço.

Ou seja, o governo já previa na LOA encaminhada ao Legislativo uma arrecadação de ICMS em 2019 menor que em 2018. E aumentou o buraco agora, ainda que não represente número significativo, para fazer graça com as empresas de aviação e mostrar que nossa economia é melhor que a de São Paulo, com essa justificativa aí de cima, com a redução de receitas do ICMS do combustível de aviação em 50%. Praticamente a mesma redução do querosene de aviação pelo governo paulista.

Só que lá, a economia é mais forte e o Secretário da Fazenda já anunciou que deve elevar impostos para cobrir o buraco. Ação que o Estado do Tocantins pode não ter a mesma aceitação política por parte da população.

 

Posts relacionados

Haddad esperneia, mas cortar 17 pontos percentuais em três semanas com Bolsonaro em viés de crescimento é praticamente impossível

luizarmandocosta

Governo, junto com deputados, querendo dar o drible da vaca na LRF e no Estado enquanto outras unidades federativas seguem rumo contrário

luizarmandocosta

Carlesse carece de um Paulo Guedes para chamar de seu. Na falta de projetos, administração se ocupa em administrar informações públicas

luizarmandocosta

Deixe seu comentário