Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Ponto Cartesiano

Liberdade e razão

Dois deputados, idêntica origem e representação, dois modos distintos: Valdemar Junior e Junior Geo. Valdemar, bacharel em direito, decidiu reconduzir ao cargo de Chefia de Gabinete um servidor comissionado investigado em desvios de recursos públicos no próprio Legislativo e no seu mesmo gabinete. E já acusado por peraltices penais quando gestor municipal.

Valdemar deve se movimentar com a fundamentação argumentativa de que todo cidadão é inocente até prova em contrário (condenação em última instancia), deixando de lado que no poder público, a coisa seria invertida: na dúvida, o pêndulo seria pela sociedade.

A reação do deputado está a demonstrar confiança no funcionário e é relevante que, pessoalmente, assim o seja.  Mas de desconfiança na sociedade que delegou-lhe o cargo em representação, representada no poder de polícia que o investiga e responsável pelos salários nos cargos no serviço público, onde se exige determinadas condições para exercê-los. Entre o público e o pessoal, ficou com o segundo. Não haveria reflexão que indicasse possibilidade de culpa e, portanto, de arrependimento.

Junior Geo, professor, cinco dias depois sem esboçar qualquer reação de alinhamento à população ou ao governo na interdição da ponte sobre o rio Tocantins, decidiu seguir os eleitores que o elegeram e encampar o movimento em defesa da cidade.

Na dúvida, escolheu a sociedade às suas avaliações pessoais. Ainda que possa ter sido paciente de reflexões, ao render-se à vontade da comunidade, expõe, mesmo que não tivesse motivos para mostrar-se culpado, motivos para que se concluísse arrependido por premissas deduzíveis de sua posição anterior.

Separa-nos, a ambos, a ética. Na de Spinoza, está lá: o homem que se conduz pela razão é mais livre na sociedade civil, onde vive de acordo com as leis comuns, do que na solidão, onde obedece apenas a si mesmo.

Posts relacionados

CVM multa BNY Mellon em R$ 120 milhões por desvios de R$ 32,5 milhões no fundo dos Correios. BNY Mellon administrava NSG/Porcão, depois Icla, que aplicou R$ 30 mi dos R$ 50 mi do Previpalmas

luizarmandocosta

Só falta essa: CPI da Câmara querendo terceirizar responsabilidades de investigação. Um esbirro inconstitucional

luizarmandocosta

Palácio até hoje não cumpre decisão do Tribunal para fiscalização de peso sobre ponte, diz ao blog promotor de Justiça de Porto Nacional

luizarmandocosta

Deixe seu comentário