Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • Governo obtém êxito em janeiro na sua estratégia de reduzir artificialmente os gastos e driblar a lei fiscal para conseguir empréstimo
Ponto Cartesiano

Governo obtém êxito em janeiro na sua estratégia de reduzir artificialmente os gastos e driblar a lei fiscal para conseguir empréstimo

Observe o prejuízo que os deputados e o governo concedem ao serviço público com o atraso de 40 dias no orçamento.

O governo (a valer os números do Portal das Transparências desta terça) teve despesas em dezembro de 2018 de R$ 783 milhões. Algo próximo da media mensal do ano passado.

Em janeiro de 2019, as despesas caíram para R$ 394 milhões. Uma queda de R$ 389 milhões (49%). O governo estaria economizando? Nada.

A maior diferença entre janeiro e dezembro é que em dezembro o governo pagou R$ 210 milhões de juros e amortização da dívida e até hoje só tinha contabilizado R$ 9 milhões em janeiro com isto.

Outros R$ 57 milhões de não gastos, por assim dizer, estão com os fornedores e prestadores de serviço. O governo gastou em dezembro um total de R$ 83 milhões com outras despesas correntes apenas R$ 26 milhões em janeiro de 2019, com a retração da falta de orçamento.

Ou seja: o governo cumpriu em janeiro parte de sua estratégia para driblar a Lei de Responsabilidade Fiscal. Uma redução artificial que vai estourar quando fechar o quadrimestre.

Como já é possível constatar nas próprias promessas de contratações por parte dos deputados feitas a seus correligionários, não sem o incentivo palaciano para conter resistências que contaminem seu capital político e eleitoral.

Posts relacionados

Sindicalistas vão ao Palácio nesta quinta para reivindicar ao governo que a suspensão das progressões não atinja direitos já adquiridos

luizarmandocosta

Militância pega embalo e vai às ruas por Paulo Mourão e Haddad, que tem relações pessoais com o candidato ao Senado há mais de dez anos

luizarmandocosta

Situação das contas públicas é crítica, mas Palácio só deve anunciar cortes em janeiro. Decisão mais política que técnica

luizarmandocosta

Deixe seu comentário