Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • Governo informa querer organizar as renúncias fiscais. Ora, um projeto neste sentido foi engavetado na gestão de Mauro Carlesse no Legislativo há pouco mais de  um ano
Ponto Cartesiano

Governo informa querer organizar as renúncias fiscais. Ora, um projeto neste sentido foi engavetado na gestão de Mauro Carlesse no Legislativo há pouco mais de  um ano

Como a justificar renúncia de receita com benefícios fiscais (por medida provisória e sem indicar a compensação tanto no orçamento quanto das empresas) a grandes companhias de aviação (quando pacientes vão a óbito por falta de remédio de 90 centavos), o governo decidiu fazer uma auditoria nas concessões de isenções a empresários. A idéia amplificada pelo Palácio é cobrar as contrapartidas das empresas.

Tanto o argumento quanto a intenção demonstrados são fajutos, considerados sujeito e objeto. Desde o final de 2017, está engavetado no Legislativo estadual – ainda da época de Mauro Carlesse – projeto de lei regulamentando o assunto, cobrando de empresários, possibilitando o cancelamento de convênios não cumpridos. A grande maioria. Carlesse literalmente engavetou o projeto de Marcelo Miranda que tinha como finalidade regulamentar a questão.

Um buraco de desvio de recursos públicos legitimado com convênios de prazos de dezenas de anos e contrários às normas do Conselho Nacional de Política Fazendária. Até 2018, técnicos da Fazenda informavam que haviam renúncias deste tipo da ordem de R$ 1 bilhão.

As mais cabeludas delas com a JBS e outros grandes frigoríficos nacionais. Renúncias que tanto Marcelo Miranda quanto Mauro Carlesse no governo se recusam a informar oficialmente.Não só ao distinto público mas a parlamentares de oposição.

Mais não bastasse, apesar dessa bagunça generalizada nas renúncias fiscais, o governo prevê no orçamento de 2019 de R$ 477 milhões. O equivalente a 3 pontes e meia da dimensão da que interditou em Porto Nacional.

Mirasse resultados práticos aos cofres públicos, bastaria o governo fazer uso do estudo desenvolvido no governo Marcelo Miranda e que embasou a proposta parada no Legislativo.

Da forma como faz Mauro Carlesse, sugere apenas duas coisas: encobrir a inconsistência dos benefícios a grandes companhias de aviação quando o Estado está em petição de miséria. Ou pior: apenas ameaçar os empresários com a possibilidade de acabar com a mamata. E aí a parte podre do governo sabe o que significa: carta branca para atuar.

Posts relacionados

Delegados entregam cargos de confiança ao governador que já os detinha por competência constitucional quando os nomeara

luizarmandocosta

Arrecadação de ICMS de fevereiro fica em R$ 234 milhões

luizarmandocosta

Retirando Executivo, o tocantinense tem o terceiro maior gasto com os demais poderes na região Norte do país: R$ 831,33 por ano a cada habitante

luizarmandocosta

Deixe seu comentário