Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
Ponto Cartesiano

Digressões não circunstanciais: Legislativo, nomeações, a parte e o todo

O deputado Antônio Andrade vai aos poucos contornando os problemas que emergiram com nomeações. Decidiu substituir o ex-prefeito de Itaguatins, Homero Barreto Filho, pelo jornalista Wilson Coelho. O jornalista é um profissional íntegro e competente. Aliás, estava, de forma até injusta, na geladeira depois de ter desempenhado funções na administração de Mauro Carlesse no Legislativo, na campanha eleitoral e ter uma passagem pela RedeSat.

O problema é de outra natureza e grandeza: informa-se que a nomeação atendera a pedido da categoria, depois de uma campanha pública do Sindicato dos Jornalistas. Aliás, conduzido de forma impecável pela jornalista Alessandra Bacelar, outra profissional competente e íntegra. Não enfrento direitos, pelo contrário, os defendo.

Ao acatá-lo, entretanto, o Legislativo sinalizou para a população, de forma indubitável, evidentemente, que estaria a reboque de corporações de categorias profissionais. Dando razão a outras categorias para acharem-se no direito de serem atendidas na mesma régua. Afinal são funções de livre nomeação do governante. E aí, outro direito, do lado contrário, que tem, inclusive, também outro direito inalienável: o de errar ou acertar.

E aí a dúvida inevitável: o profissional seria de confiança de quem o nomeou ou de quem o teria indicado. Indagação que levaria a outra: no caso específico, haveria diferença de tratamento profissional da categoria, na cobertura do Legislativo, se o nomeado não fosse sua indicação? A própria campanha corporativa, ainda que legitima, emitiria os sinais da resposta, ainda que as abóboras se acomodassem com o caminhão em movimento.

O Sindicato fez a sua parte e sindicato é para lutar mesmo pela categoria. Conseguiu êxito inconteste. Mas seus associados são apenas parte, como é notório, numa relação em que governo e deputados, responsáveis pela administração dos recursos públicos, são obrigados a representar e defender o todo. Foram eleitos pela população justamente para isto, tem a representação e é isto que os legitima e a suas decisões.

O populismo e o receio de confrontar as reivindicações corporativas, ademais, não por acaso levaram o Estado à situação em que se encontra. O governo (todos os poderes) consumindo cerca de 70% das receitas com a despesa bruta de salários pagos a servidores.

Destes aí, um pouco acima de 80% consumidos com funcionários efetivos. Benefícios concedidos por governos e deputados em atendimento a reivindicações (todas também justas) dos sindicatos das corporações dos servidores.

A parte da população  (35 mil) ficando com 70% de todas as receitas com salários corporativos. Somando os quase 27% de custeio da máquina, sobram para a população/o todo (os outros 1,5 milhão de pessoas) meros 3% de recursos para investimento em hospitais, medicamentos e estradas que lhes interessam de forma direta. Finalidade que justifica o próprio financiamento do Estado pelo todo não corporativo que contribui para sua existência.

Posts relacionados

Pendurado na nova agenda. Leiam meu artigo desta quarta no Jornal do Tocantins

luizarmandocosta

Por que a vida só não basta!!!

luizarmandocosta

Arrecadação de ICMS, como teve acesso o blog nesta sexta, registrou crescimento de 12,73% nominais em 2018. Melhor resultado em seis anos. Crise? Onde?

luizarmandocosta

Deixe seu comentário