Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • Desmanche da RedeSat: governo pode vender terreno no centro da cidade para Igreja Universal fazer estacionamento do seu suntuoso templo na NS-02
Ponto Cartesiano

Desmanche da RedeSat: governo pode vender terreno no centro da cidade para Igreja Universal fazer estacionamento do seu suntuoso templo na NS-02

As pessoas que trafegam pela NS-02, observam nas proximidades da sede da OAB (e de frente para um anexo do Tribunal de Justiça), na região Norte da cidade, um templo que avança sobre a calçada impunemente. A prefeitura autorizou uma igreja numa avenida de grande movimento e sem destinação para estacionamento. Está lá em fase de acabamento o suntuoso templo da Igreja Universal. Até aí um problema municipal.

Ocorre que para solucionar o problema, a Igreja Universal convenceu um deputado a fazer gestões ao governo para adquirir o imóvel localizado no fundo do templo. Motivo: viabilizar um estacionamento. É um terreno que pertencia à RedeSat e agora à Unitins. Cerca de 6 mil m2 no centrão da cidade não avaliado em menos de R$ 7 milhões no mercado.

Ali, no prédio da ex-Comunicatins já estão abrigados a Rede Vida, Canção Nova e TV Assembléia com suas respectivas torres de transmissão. E, tudo indica, já existiriam estudos para muda-las para a região das Arnos.

Não vou aqui deter-me às preferências eletivas religiosas de deputados e governo de retirarem do local emissoras da igreja católica em favor da igreja evangélica. Nem do desvio de função do terreno que tinha-se, até então, como uma opção para se instalar um centro de mídias digitais para a Secretaria da Educação e a própria Universidade.

Ocupo-me do processo de desmantelamento da RedeSat e dos imóveis do poder público. As circunstâncias e as movimentações tanto da igreja Evangélica quanto de governo e deputados apontam para a comercialização da área.

E nisto já se tem pelo menos um referencial: em 2007 o então governador Marcelo Miranda vendeu para Carlos Amastha a área pública do governo para a construção do Shopping Capim Dourado pelo valor de R$ 688 mil divididos em 24 parcelas. Sem licitação. O Ministério Público em ação civil pública avaliou que a área tinha como valor de mercado R$ 9,8 milhões. Ou seja: 14 vezes maior que o preço pago ao governo.

Uma área de preservação às margens do Córrego Brejo Comprido que obrigou os vereadores e o prefeito Raul Filho a desafetar a  área para viabilizar a construção que foi inaugurada com a presença do governador sem alvará de construção, habite-se e liberação do Corpo de Bombeiros.

Hoje, a Universal constrói um templo numa avenida sem estacionamento, com o aval da prefeitura, e depois vai atrás do governo para adquirir a área onde seus fiéis deixarão seus carros. Ou atrapalharão a vida do cidadão comum que trafegar pela NS-02. Pagão, evangélico, católico, ateu seja o que for.

Posts relacionados

Deputados condicionam votação da MP dos plantões médicos a decisão judicial!! MP cai na próxima semana com parlamentares em recesso

luizarmandocosta

Algoritmo da saúde pública. Meu artigo desta quarta no Jornal do Tocantins

luizarmandocosta

Delegados não são readmitidos, governo nomeia novo secretário e a administração segue. Só um governo fraco sujeitaria a população a uma chantagem explícita (e estrategicamente burra) de servidores públicos

luizarmandocosta

Deixe seu comentário