Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
  • Home
  • Ponto Cartesiano
  • Atrelar duodécimo dos poderes a caixa do Executivo é daqueles retrocessos inomináveis. Não duvide que o Congresso leve a sério essa excrescência!
Ponto Cartesiano

Atrelar duodécimo dos poderes a caixa do Executivo é daqueles retrocessos inomináveis. Não duvide que o Congresso leve a sério essa excrescência!

Não é improvável que os governadores apoiem a discussão provocada pelo governador de Santa Catarina de reduzir duodécimos do Judiciário.Já há espasmos no Congresso. A inconstitucionalidade, os parlamentares podem derrubá-la no Senado e Câmara com uma PEC. Já a quebra de equilíbrio (que sustenta os freios e contrapesos de Montesquieu) não consertarão com emendas.

Os duodécimos são dispositivos constitucionais para proteger os outros poderes daquele que Executa a partir da independência e autonomia financeira. A proposta que já se discute concede aos governadores a prerrogativa e não obrigação de repassar os duodécimos na medida em que os condiciona ao caixa e não ao orçamento.

Basta o Executivo gastar demais (como é recorrente) para o Judiciário ter que submeter-se,por exemplo, à vontade política do governador do dia para receber uns caraminguás.De outro modo: a execução orçamentária do Judiciário dependeria da disponibilidade de caixa e da vontade política do Executivo (e dos ocupantes de cargo no governos).

Veja o caso do Tocantins: o governo repassou aos poderes de janeiro a maio um total de R$ 317 milhões de duodécimos. Isto é 23% do previsto para o ano: R$ 1 bilhão e 360 milhões.

Os duodécimos necessitam debates, óbvio. Ainda é uma ficção posto a obrigação do Executivo de repassar o previsto no orçamento independente da efetivação das receitas. No Estado, no governo MM, o ex-secretário da Fazenda ,Paulo Antenor, projetou uma PEC atrelando duodécimos à arrecadação. O que é diferente de condicioná-lo a caixa do Executivo. O projeto não foi adiante, encontrou resistência nos poderes. Uma discussão, como se nota agora, inexorável.

Mas nem a paridade da arredação se cumpre. O governo do Estado  arrecadou em receitas tributárias e transferências (base de cálculo do duodécimo,ainda que com memória do exercício anterior) um total de R$ 3,3 bilhões nos cinco primeiros meses do ano, para uma  previsão anual de R$ 7,9 bilhões do orçamento. Arrecadou,portanto, em cinco meses, 42% do previsto para o exercício.

Ou seja, arrecadou 42% e repassou aos poderes 23%. Uma diferença negativa de 45%. Repassou R$ 317 milhões quando as receitas realizadas determinariam R$ 566 milhões de repasses.

Posts relacionados

Imprensa ainda não sacou da lei da mordaça na PM que pediu prisão de militar por críticas nas redes sociais!!!como pregou no Governo em favor dos delegados!!! Será porque o militar é negro,pobre e velho e os delegados saradões do Instagram?

luizarmandocosta

Tocantins é privilegiado nos repasses do Ministério da Saúde na região Norte: média per capita de R$ 545 em 2018

luizarmandocosta

Deputado aponta erros grosseiros na LDO. Governo prevê crescimento do PIB e queda de receitas!!!!!Um paradoxo. No Igeprev, passivo de R$ 55 bi vira ativo de R$ 54 bi. Ganho de R$ 100 bi. Em um ano!

luizarmandocosta

Deixe seu comentário